sábado, 29 de junho de 2013

Lugar para Jesus!

Em conversa com um amigo, durante o preparo de uma atividade na igreja, refletimos sobre como poucas pessoas se envolvem no trabalho com Jesus. Também pensei muito sobre esse assunto quando vi, durante um culto que antecedeu uma assembleia ordinária da Comunidade, apenas 16 pessoas diante de mim. Ainda não pude deixar de pensar a respeito deste tema quando pedi que confirmassem a presença para uma atividade dsitrital.

Em nossa vida de membro ativo na igreja, de pastor, por vezes nos vemos desmotivados diante desta realidade de pouco envolvimento com as coisas de Deus da grande maioria. Sinceramente, em várias ocasiões somos tentados a pedir a Deus como pediram Tiago e João no evangelho de Lc 9.51-62 ao não serem recebidos em um povoado na região de Samaria: "O Senhor quer que a gente mande descer fogo do céu para acabar com estas pessoas?" (Lc 9.54). Não é esse o desejo de Jesus, por isso que os discípulos foram repreendidos (Lc9.55).

Lembrando o ocorrido com Elias em 1Rs 19.9-21 começamos a compreender qual o desejo do Senhor. Neste texto Elias também se viu solitário e com vontade de desistir, mas o Senhor renovou as suas forças e ainda preservou àqueles que serviam ao Deus verdadeiro. Ungiu ainda Eliseu para ser o sucessor de Elias. Aquele que o sucederia como profeta que ensina a vontade de Deus.

Qual é a vontade de Deus?  Que o seu Evangelho chegue a todos! Que todos sejam ensinados a guardar tudo o que Jesus tem ordenado (Mt 28.19,20). Que o sirvamos com Alegria, Buscando, pois, em Primeiro Lugar o Reino de Deus e sua Justiça (Mt 6.33). Enfim, que vivamos para o Senhor.

O apóstolo Paulo escreveu em Gl 5.13-25 que Cristo nos libertou! E alerta para não voltarmos a ser escravos. Temos liberdade, mas que ela não se torne desculpa para permitir que a natureza humana nos domine. Isso muito tem acontecido, e muitos tem se perdido porque, em sua suposta liberdade, se afastam de um envolvimento verdadeiro com Jesus. É certo o que Jesus disse: "As raposas tem suas covas, os pássaros seus ninhos. Mas o Filho dohomem nao tem onde descansar" (Lc 9.58) Afinal, nossa liberdade tem fechado nosso coraçao a Cristo, tem nos feito optar pelas coisas do mundo em lugar de, prontamente, atender o "Venha comigo" (Lc 9.59) de Jesus.

Diante desta nossa realidade reavaliemos nossas prioridades! Vejamos "como são admiráveis as pessoas que se dedicam ao Senhor" (Sl 16.3). Então, "Estejamos certos de que o Senhor está sempre conosco, ele está ao nosso lado direito e nada poderá nos abalar (Sl 16.8) e cheios de sua presença, alegremente sigamos o caminho que Deus nos mostra para a felicidade Eterna (Sl 16.11). Amém.





sexta-feira, 14 de junho de 2013

Mensagem - 4º Domingo aós Pentecostes (2013)

Tema: O pecado e suas consequências.

Textos: Salmo 32.1-7; 2 Samuel 11.26-12.14; Gálatas 2.15-21;3.10-14; Lucas 7.36-8.3.

Lembro de quando era criança. Na escola Dominical cantava-se um corinho assim: "Pecado, pecadinho, pecadão, isso não! (2x) Pecado, pecadinho, pecadinho, pecadão, isso não entra no meu coração." Continua a música...

Há algum tempo essa música deixou de ser cantada por causa de um erro teológico. Sabemos que pecado nao tem tamanho. Nao existe pecadinho e pecadao. Pecado é pecado. Mas as vezes não nos damos conta. tenho percebido que muitas vezes agimos como se "esse" ou "aquele" pecado não fosse tão ruim assim. vejam, por exemplo, até o Diabo hoje em dia não está sendo considerado tão ruim assim. A campanha da RBS que defende a Educação infantil pinta o diabo apenas como um monstrinho que não é tão mal assim, ele até estimula seu filho a estudar.

Os nosso inimigos maiores (diabo, mundo e carne) estão conseguindo, aos poucos, como foi no Éden, nos seduzir ao pensamento de que desobedecer a Deus, pecar, não é tão ruim assim. É, portanto, necessário que recorramos a Deus, em sua Palavra e roguemos ao Santo Espírito para abrir nossos corações e mentes a um bom entendimento sobre o pecado e suas consequências. Amém.

Na Palavra  encontramos inúmeras citações falando da realidade humana. Que não é nada animadora. Decaídos em pecados desde o ventre de nossa mãe (Sl 51.5) sem exceção, "Todos pecaram e estão afastados da presença gloriosa de Deus" (Rm 3.23). Somos trapos imundos (Is 64.6) e por isso merecedores do salário do pecado que é a morte (Rm 6.23). Nao conseguimos, por nós mesmos, ser santos como Deus exige (Lv 19.2).

Mesmo assim achamos, por vezes, que sim! Confiamos naquilo que achamos ser boa obra diante de Deus (Não fumo, não bebo, não jogo, oferto, vou ao culto, ajudo os outros...) enfim, não sou tão ruim assim! CLARO QUE SOU! SOU PECADOR! Nao é pelas obras que somos aceitos por Deus. Nenhuma obra pode pagar o preço do meu pecado. Pelo cumprimento da lei estou morto (Gl 2.19).

O Apóstolo Paulo disse aos cristãos de Galácia: "Ó Galatas sem juízo...(3.1) Como vocês podem ter tao pouco juízo? Vocês começaram a sua vida pelo poder do Espírito de Deus e agora querem ir até o fim pelas suas próprias forças?" (3.3) Antes disso ele já havia escrito: "Eu me recuso a rejeitar a graça de Deus. Pois se é por meio da lei que as pessoas sao aceitas por Deus, então a morte de Cristo não adiantou nada." (Gl 2.22). É por graça, mediante a fé, que somos salvos, aceitos por Deus. O pecado que nos separa totalmente de Deus é lavado pelo sangue do cordeiro, nos deixando mais alvos que a neve (Is 1.18).

Claro que sempre teremos consequências decorrentes deste processo de sermos ou nao perdoados de nossos pecados.

OS PECADOS TRAZEM CONSEQUENCIAS:

Quando uma de nossas filhas faz algo de errado sofrem algum castigo. Depois das "desculpas", do perdão,  elas ainda escutam: "Está desculpado, mas hoje você nao vai mais ver televisão..."

Algo semelhante acontece na vida de todos nós. não existe tamanho de pecado, mas as consequências, sim, podem variar de tamanho. Na leitura do Antigo Testamento (2Sm 11.26-12.14) o Rei Davi foi perdoado, mas sofreu a consequência de seu pecado: ""Alguns de seus descendentes morrerão de morte violenta... (10); Uma pessoa de sua própria família causará a sua desgraça(11)"... o seu filho morrerá (14).

Assim acontece em nossa vida. Os pecados trazem consequencias. 
Exemplos: 
Adultério - separaçao, doenças, etc...
Furto - prisáo, etc..
Mentira - descrédito das pessoas, etc...

E outros mais...

E a pior consequencia de todas acontece quando eu nao me arrependo e confesso meu pecado: CONDENAÇAO! MORTE! INFERNO!

Queridos irmaos. Há outra consequência quando acontece o arrependimento e a confissão: SALVAÇÃO! PERDÃO! CÉU! VIDA ETERNA! Essas consequências do perdão logo são percebidas aqui na terra na vida diária dos perdoados!

Leiamos o Salmo 32.1-7 e vejamos o que o perdão causou na vida do Rei Davi: (LER)
LOUVOR! " Eu canto bem alto a tua salvação" (7).

O próprio Senhor Jesus falou  respeito da resposta automática que acontece na vida da pessoa perdoada. Em Lucas 7.36-8.3) está escrito o relato bíblico de uma mulher de má fama que, durante um jantar na casa de Simão, o fariseu,  com suas lágrimas lavava os pés de Jesus e os enxugava com seus cabelos.Beijava seus pés e derramava perfume em um vaso de Alabastro. Jesus, naquela noite, ensinou a Simão  que "o grande amor que ela (a mulher) demonstrou prova que os seus muitos pecados já foram perdoados. Mas onde pouco é perdoado,pouco amor é demonstrado."

Penso em nós hoje, com o pouco que temos mostrado de amor, louvor, oferta, gratidão, culto a Deus. Será que nos tem faltado perdão? Será que pouco temos tido de arrependimento e confissão para pouco sermos perdoados e consequentemente pouco respondermos ao perdão de Deus? Ou simplesmente não temos percebido o quanto somos perdoados?

Reflitamos, irmaos, no grande amor de Deus em Cristo, que nos oferece de graça o perdao, vida e salvaçao certa e abundante! Respondamos a este amor com toda nossa vida, louvor e serviço. amém.

Igor Marcelo Schreiber
Pastor em Uruguaiana
14.06.13

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Sermao 3 domingo de Pácoa 2013

Sermao
3º Domingo de Páscoa
Tema: Venha comigo! (Jo 21.19)

Aconteceu que bem pouco tempo depois da ressurreiçao de Cristo, os seus seguidores eram duramente perseguidos. Saulo era um dos principais perseguidores, e nao satisfeito, Saulo desejava estender sua perseguiçao além da cidade. Pediu autorizaçao ao Sumo Sacerdote Caifás para buscar, prender e trazer a Jerusalém os seguidores de Cristo em Damasco (240km – cerca de uma semana de viajem).
Na viajem Paulo foi subtamente cercado por uma forte luz. Já no chao, escuta a voz de Jesus que diz: “Saulo, Saulo, porque me persegue? (At 9.4) E Jesus lhe dá ordens do que teria que fazer.
A glória de Deus cegou o pecador Paulo, e nao tinha outra coisa a fazer, senao ouvir as orientaçoes do Senhor, fazer o que o Senhor tinha mandado.
Contriçao? Aarrependimento? Seria por isso que Paulo permaneceu três dias em jejum? (At 9.9) O fato é que aquele encontro com Jesus havia mudado muita coisa na vida de Paulo, que depois de escutar novamente a Palavra de Deus, desta vez d aboca de um seguidor (Ananias) que disse: LER At 9.17, ele voltou a ver, foi batizado e tornou-se o grande missionário, o Apóstolo Paulo.
Em Jo 21.1-19, um pouco antes deste episódio, quando Jesus ainda estava na terra, aconteceu também outro encontro marcante. Foi com alguém que estava longe de ser um perseguidor, era um discípulo do Senhor, Pedro.
Depois de uma noite cansativa e sem resultados numa pescaria, os três discípulos que pescavam viram algo maravilhoso acontecer. Simplesmene por darem ouvidos a voz de jesus encheram suas redes de peixes. Mas hoje nao queremos nos ater a esta pescaria, somente a voz de Jeus.
Depois de comerem, Jesus perguntou por duas vezes a Pedro: Simao, Filho de Joao, você me ama? E por duas vezes Pedro reafirma seu amor por Jesus. Mas Cristo insiste e pergunta pela terceira vez, o que traz tristeza a Pedro, mas mesmo assim responde: “O Senhor sabe tudo e sabe quye eu o amo” (Jo 21.17).
Porque a tristeza de Pedro? Porque ele sabia que o seu pecado já o fez negar a Cristo por três vezes, e agora o Senhor o faz lembrar disso perguntando três vezes sobre o seu amor por ele. Realmente, como disse Pedro, Jesus sabe de tudo, e naquela hora nao queria novamente palavras apena da boca pra fora, e sim uma confissao que viesse do coraçao, uma declaraçao de amor profunda e verdadeira, de um pecador arrependido de seus pecados.
Entáo jesus, depois disso, diz: Venha comigo!

Amados irmaos e irmas, hoje escutamos como foi a converçao de Paulo e como Pedro reafirmou seu amor a Deus.
- Ambos chamados pela voz de Cristo.
- Um perseguidor e outro seguidor, ambos pecadores.
- Vimos que Paulo assumiu com toda seriedade sua nova vocaçao de um homem “Salvo para Servir”, e Pedro assumiu sua condiçao de pecador “Salvo para amar”.

Hoje ainda há a mesma voz de Jesus que chama. Na Palavra pregada, lida, anunciada, escrita. No batismo, na Santa Ceia! Como é difícil, nos dias atuais, no contexto em que vivemos escutarmos e seguirmos essa voz! Esse Senhor que diz: “Venha comigo”.

Nem tanto, daquela época pra cá nao mudou muito.

Antes haviam perseguiçoes ao cristianismo, como Paulo mesmo foi perseguidor.
Hoje também existe!, desde o pós-modernismo, o liberalismo, etc... veja o exemplo do embate, da briga protagonizada pelos deputados Jean Wilis e Marcos Feliciano.

Antes haviam aqueles que negavam a Cristo, como o próprio Pedro negou.
Hoje quantos continuam negando, de diversas formas, seja publicamente, seja disfarçadamente, como nós mesmos fazemos ao deixar de falar de nossa fé, quando deixamos Cristo de lado com nossa mornidao de fé: (Aqueles que dizem nunca deixar de orar, ler a palavra, mas nunc apraticam, nunca vao a igreja...)

A situaçao de antes nao melhorou nem piorou, apenas continuou e o mesmo pecado da ópoca de Paulo e Pedro continua em nossos coraçoes. Graças a Deus que também Jesus nao mudou e continua chamando, dizendo: Venha comigo!

Venha comigo, você que:
- Está apático em sua fé, - seu crer é mais intelectual do que de coraçao, em espírito e em verdade!
Venha comigo, diz jesus!

A morte e ressurreiçao de Cristo foi para perdoar os nossos pecados. Salvando-nos da morte e do poder do diabo. Por isso, em resposta a esse grande amor, escutemos a voz de Jesus e vmaos com Cristo para a vida Eterna. Amém.

O Diabo é capaz

Como você se sentiria, se numa campanha publicitária aparecesse o desenho um homem barbudo com seu filhinho, cantando: "Maltratar as criancinhas é coisa que não se faz, mesmo sendo Osama Bin Laden , disto nem eu sou capaz"? É lastimável, mas uma campanha tão importante que procura resgatar a qualidade do ensino nas escolas, tira nota baixa em lição fundamental: o respeito aos ensinos cristãos. Em 2003, quando o tema foi a violência infantil, a campanha  já tinha praticado tal agressão religiosa. Agora ela retorna, desmerecendo a crença de grande parcela da sociedade, de crianças que recebem em casa e nas igrejas a educação básica da fé cristã - que o Senhor Jesus Cristo resgatou a humanidade da maldição do Diabo. É falta de sensibilidade ou campanha direta contra a fé cristã? Quando a Bíblia adverte: "Estejam alertas e fiquem vigiando porque o inimigo de vocês, o Diabo, anda por aí como um leão que ruge, procurando alguém para devorar" (1 Pedro 5.8), então é preciso reorientar as nossas crianças na frente da televisão: "O Diabo é capaz, sim, de maltratar as criancinhas".
 
Não é de hoje que certas propagandas, programas e entretenimentos na televisão fazem um grande malefício às crianças, jovens e adultos. O caminho não é simplesmente proibir, desligar, fugir do que acontece ao redor, mas conversar com os filhos e família, interagir e adquirir bom senso e sabedoria para enfrentar a situação. Até porque não é só contra os princípios bíblicos que sutilmente surgem os ataques, mas também contra a conduta e práticas cristãs. Os que ainda seguem o Caminho, a Verdade e a Vida (Jesus), precisam se dar conta que "a melhor herança" é aquela descrita na carta bíblica: "Assim esperamos possuir as ricas bênçãos que Deus guarda para o seu povo" (1 Pedro 1.4). Vale, portanto, a recomendação: "Vistam-se com toda a armadura que Deus dá a vocês, para ficarem firmes contra as armadilhas do Diabo" (Efésios 6.11).
 
  Marcos Schmidt
pastor luterano