quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Dilma ou Serra? Independente do resultado neste domingo, as Escrituras afirmam que “nenhuma autoridade existe sem a permissão de Deus” (Romanos 13.1). Isto é questão de fé, logicamente. Uma confiança que afirma que em Deus “vivemos, nos movemos e existimos (Atos 17.28); uma certeza que sustenta a insignificante contabilidade divina dos fios de cabelos da cabeça, que não caem sem a permissão do Criador (Lucas 21.18).
Desde aquele dia quando Deus criou os céus e a terra (Gênesis 1.1), há outro fio, invisível, de “ouro”, que segue pelos tempos e atravessa a história humana, e que, mesmo sem a maioria perceber, rege o mundo, governos e pessoas. E se o Rei dos reis foi o “santinho” em destaque nesta corrida presidencial, mesmo depois descartado junto aos restos de campanha, ainda continuará mexendo os pauzinhos. Aliás, isto a gente sempre faz – só lembra de Deus na hora que precisa e depois...
Em todo o caso, governos, por melhores ou piores, deste ou daquele partido, são a mão de Deus, necessários para a ordem e sobrevivência. Pais, mães, patrões, chefes, professores, policiais, enfim, por melhores ou piores, qualquer função existe “porque as autoridades estão a serviço de Deus para o bem” das pessoas (Rm 13.4). O que seria deste planetinha azul sem o comando no lar, na empresa, na escola, no país? Especialmente através do poder público Deus protege e sustenta a família, a vida, a propriedade, a honra e a dignidade do povo, preservando a ordem e a disciplina. Não é por menos a recomendação: “Por isso você deve obedecer às autoridades, não somente por causa do castigo de Deus, mas também porque a sua consciência manda que você faça isso (Rm 13.5).
Esta certeza – de que este Deus que amou o mundo de tal maneira e que tem o domínio total nas pequenas e grandes coisas – tranquiliza o coração daqueles que dão a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Uma certeza que também faz agir na oração “pelos reis e por todos os outros que têm autoridade, para que possamos viver uma vida calma e pacífica, com dedicação a Deus e respeito aos outros” (1 Timóteo 2.2).
Marcos Schmidt
pastor luterano
fone 8162-1824

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Mistura indigesta

A história tem mostrado que misturar religião e política não traz coisa boa. Exemplos não faltam. No próximo 31 de outubro, junto à urna eletrônica, seria oportuno dar um voto de confiança aos conselhos de Lutero. Foi neste dia, em 1517, que ele chamou os seus adversários para um debate público sobre a prática das indulgências – um fraudulento negócio com o perdão de Cristo parecido com a venda do voto. É o início da Reforma Luterana, movimento que traz mudanças globais no cenário político e religioso e a própria separação entre igreja e estado.  
 
Lutero e o povo alemão não tinham o direito de escolher seus governantes – viviam sob o regime imperial. Mas, cumprindo o seu dever pastoral, aconselhou os príncipes a não se intrometerem em assuntos espirituais e os sacerdotes em questões da administração política. Há dois escritos básicos dele, o Magnificat (1521) e Da Autoridade Secular (1523), que expõem com sabedoria uma ética que falta no atual contexto brasileiro. Lembra que é preciso “distinguir cuidadosamente os dois regimes de Deus e deixá-los vigorar – um que torna cristão, o outro que garante a paz civil e combate as obras más”. Ao questionar: “Que são, pois, os sacerdotes e bispos?”, responde: “Seu regime não é de autoridade ou poder, mas de serviço e função”. Já o estado “não pode estender-se ao céu e sobre a alma, mas somente sobre a terra – o convívio dos seres humanos”. Onde existe mistura, o resultado será a ruína do convívio das pessoas, alerta o reformador.
 
Neste princípio, os estatutos de minha instituição religiosa são claros: “Em obediência ao princípio bíblico da separação entre Igreja e Estado, tanto a IELB como as congregações não se envolverão em questões de política partidária”. Por isto o código de ética do pastor em exercício: “Mesmo que deva estar atento aos problemas da sociedade, não quero, enquanto pastor, exercer política partidária”. Isto não sugere omissão e passividade política, mesmo porque, se no pensamento de Lutero “política é o esforço constante e paciente para estabelecer e manter uma ordem social compatível com os valores do cristianismo”, isto só acontece no exercício cristão da cidadania política.
 
Marcos Schmidt
pastor luterano   

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Voto de confiança

O rei Davi tinha um homem de confiança chamado Aitofel. Os conselhos dele eram aceitos como se fossem a própria palavra de Deus (2 Sm 16.23). No entanto, certo dia este homem recomendou Absalão matar Davi, seu pai, e ficar com o reino dele. Tempos depois, após pacificar a nação, Davi desabafa no Salmo 146: “Não ponham a sua confiança em pessoas importantes, nem confiem em seres humanos, pois eles são mortais e não podem ajudar ninguém”.  
 
Em quem confiar? Este é o dilema dos recém eleitos no último domingo. Rodeados de amigos e interesseiros, todo o cuidado é pouco. Deveriam seguir os conselhos de Lutero: “Deves dar ordens e arriscar, mas não deves confiar e fiar-te em outros, a não ser em Deus somente” (Da Autoridade Secular, 1523).  É assim mesmo. Não só na política, mas em qualquer setor onde pessoas dependem de pessoas. Evidentemente, é preciso “confiar”. Mas, a chave deve ser entregue com cópia. Neste mundo de poder, onde a cobiça é grande, sempre haverá traição e decepção. Foi a triste descoberta de Lutero naquele tempo imperial: “A maior inconveniência que existe nas cortes é quando um príncipe subordina sua razão aos grandes senhores e bajuladores, deixando ele próprio de governar”.
 
Mas qual o jeito próprio e correto de governar? Sempre dependerá da mútua confiança, ainda que resulte no caminho mais difícil. Sem esse voto, o meio político será um profícuo covil de Absalões (ou de Tiriricas). Lutero já protestava: “Se, porém, de acordo com seu cargo, dedicassem cuidados a seus súditos, certamente descobririam por si mesmos que muito baile, caçada, torneio e jogos deveriam ser deixados de lado”. A brincadeira com o patrimônio público, escandalosamente, sempre correu solta, só trocando os festeiros. Por isto o recado do reformador da igreja: “O político não deve procurar o seu interesse, mas proteger, ouvir e defender o povo”.
 
Em todo o caso, com tanto político invocando o nome de Deus, que sigam o exemplo daquele a quem Davi dirigiu as palavras desse mesmo Salmo: “O Senhor sempre cumpre as suas promessas”.
 
 
 
Marcos Schmidt
pastor luterano  
fone 8162-1824
Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS