quarta-feira, 19 de novembro de 2014

"Por um fio, a vida em suas mãos"

"Hoje tenho apenas uma coisa a dizer: Obrigado meu Deus, pela bênção de poder compartilhar com amigos, colegas, familiares e ex-alunos a notícia: Tenho a mão o meu livro: "Por um fio, a vida em suas mãos". Claro, é apenas uma amostra (boneco) mas está pronto para ser editado!" (Nelson Linhaus)

 Parabéns Pastor Nelson Linhaus! Deus continue abençoando sua vida! Assim com seus dons servirá ao Senhor com alegria!

DESAPEGA!


              Desapega! Este é o slogan da OLX, uma grande marca de classificados online. Ele convida a fazer algo que às vezes é difícil: se desapegar de algum objeto. Ainda mais se por trás daquele objeto há uma história familiar. A situação piora se ele tem valor sentimental. Desapegar não é tão fácil assim. Quem precisou fazer uma mudança, fazer uma limpa no guarda-roupa ou se desfazer de alguns objetos sabem do que estou falando.
               Desapega! Este também deve ser o slogan quando o assunto é salvação. Não para desapegar-se do mundo e isolar-se numa montanha, vivendo uma vida alienada. Até porque o lugar dos cristãos é vivendo no olho do furacão, no meio da sociedade. Mas o desapega refere-se à velha tentativa de conquistar o amor de Deus, de comprar a salvação, de cumprir regras para ser salvo. “A pessoa que não põem a sua esperança nas coisas que faz, mas simplesmente crê em Deus, é a fé dessa pessoa que faz com que ela seja aceita por Deus, o Deus que trata o culpado como se ele fosse inocente.” (Romanos 4.5). Desapega! Não se agarre nas suas boas atitudes! Se você acha que será salvo por ser bonzinho e caridoso, desapega! Desapega, e apegue-se a Cristo. “Mas, pela sua graça e sem exigir nada, Deus aceita todos por meio de Cristo Jesus, que os salva” (Romanos 3.24).
               Jesus. É dele que você precisa. Apegue-se a Ele. Deixe Ele ser o Deus da sua vida. Jesus é Homem-Deus morto e ressuscitado para perdão e salvação. Crer nisto é ter o céu aberto. Não crer nisto é ter o céu fechado – mesmo que você cumpra inúmeros regulamentos religiosos. Desapegue da tentativa de conquistar Deus por ser bonzinho. Apegue-se ao Jesus ressuscitado. É certeza da salvação. Pode crer!
              Então fica a dica: desapega das ações, apegue-se a Cristo! Mas não se engane. O cristão procura ser um bom pai, boa mãe, bom filho, bom trabalhador. Não para comprar um pedaço do céu, mas para ser um instrumento de Deus para amar e cuidar das pessoas que estão ao seu redor. Se você ainda não conhece este maravilhoso Deus revelado em Jesus, desapega!

Pastor Bruno A. krüger Serves
Congregação Ev. Luterana Cristo, Candelária - RS
Fica a Dica, Folha de Candelária

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Pai – objeto de museu

Será que o Dia dos Pais e o Dia das Mães vão acabar? Em São Paulo o prefeito Haddad já trocou nas escolas municipais as datas por “Dia dos Cuidadores”, uma pretensão nacional de nossos pais e mães lá em Brasília. Mas a data pouco importa quando querem eliminar o formato de pai e de mãe. O Estatuto da Diversidade Sexual, assinado pela ministra da Cultura, Marta Suplicy, já prevê a morte deles: “Nos registros de nascimento e em todos os demais documentos identificatórios, tais como carteira de identidade, título de eleitor, passaporte, carteira de habilitação, não haverá menção às expressões ‘pai’ e ‘mãe’, que devem ser substituídas por ‘filiação’” (artigo 32). Pelo jeito e por tudo o que as novelas ensinam, a família - pai, mãe e filhos - será objeto de museu.
 
O casamento e as relações no lar sempre tiveram lutas internas. Mas agora os mísseis vêm de fora. Vêm dos meios de comunicação, das drogas, da imoralidade... E pior, das instituições governamentais. O que fazer? Precisamos de um sistema antimísseis. Não é preciso ir à guerra como fazem certos “defensores dos bons costumes”. Se o casamento e a família são obras daquele que disse “É por isso que o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher” (Gênesis 2.24), então nada neste mundo pode explodir as invenções divinas. “Tudo o que Deus criou é bom”, escreve o apóstolo na primeira carta a Timóteo. Mas ele recomenda vigilância: “Nos últimos tempos alguns abandonarão a fé. Eles darão atenção a espíritos enganadores (...) Essas pessoas ensinam que é errado casar” (4.1-5). Paulo então recomenda “exercícios espirituais” (4.7), ou seja, meditação na Palavra de Deus e oração. O que é um baita problema quando a televisão e a internet são os treinadores de nossa mente. Por isto, se a Bíblia diz “Escute o seu pai, pois você lhe deve a vida” (Provérbios 23.22), vem a pergunta: O pai ainda tem algum exemplo ou tempo ao seu filho?
      

Marcos Schmidt
pastor luterano

sexta-feira, 25 de julho de 2014

“Bah, foi mal”

O Edelson Witt foi assassinado friamente com quatro tiros, confundido com outra pessoa. Um engano parecido com a tragédia do avião derrubado por um míssil na Ucrânia com 298 vítimas. “Bah, foi mal”, disse o matador depois de perceber o “equívoco”. O Edelson tinha 42 anos e apesar da deficiência e mentalidade de criança, atuava ativamente na igreja luterana do bairro Santo Afonso em Novo Hamburgo. Ele gostava muito de conversar e era estimado pelos amigos e vizinhos. Semana passada puxou um papo amistoso comigo, a última lembrança que tenho dele. Seus pais e irmãos estão muito abalados. É outro crime estúpido nesta onda de violência que atinge a todos.
 
Qual a saída? O que fazer?  Para a família enlutada só resta o conforto daquele que disse: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá” (João 11.25). Mas não podemos ficar só com as mãos cruzadas em oração. É preciso indignar-se e exigir das autoridades justiça, paz social e proteção. Sabe-se que a violência urbana tem várias causas: desestruturação familiar, incapacidade dos governos, impunidade, corrupção etc. No meio disto está o tráfico de drogas, o grande agente dos crimes violentos. Os “acertos de conta”, as chacinas e outras disputas entre traficantes rivais transformaram-se em rotina. E nesta guerra de bandidos somos confundidos e nos tornamos vítimas.
 
Tem toda a razão o assassino do Edelson: “foi mal”. Foi o pior mal que alguém pode cometer. Por isto o recado bíblico: “O assassino cava muito depressa a sua própria sepultura” (Provérbios 28.17). Mas ao mesmo tempo a Bíblia recomenda: “Não paguem a ninguém o mal com o mal (...) Deixem que seja Deus quem dê o castigo” (Romanos 12.17,19). Aos homicidas, caso queiram escapar do castigo eterno, basta se arrepender e crer no perdão, pois, incrivelmente, até por eles Jesus orou na cruz: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”. O que não exclui a devida punição nesta terra de Caim.
 
 
pastor luterano