sexta-feira, 25 de julho de 2014

“Bah, foi mal”

O Edelson Witt foi assassinado friamente com quatro tiros, confundido com outra pessoa. Um engano parecido com a tragédia do avião derrubado por um míssil na Ucrânia com 298 vítimas. “Bah, foi mal”, disse o matador depois de perceber o “equívoco”. O Edelson tinha 42 anos e apesar da deficiência e mentalidade de criança, atuava ativamente na igreja luterana do bairro Santo Afonso em Novo Hamburgo. Ele gostava muito de conversar e era estimado pelos amigos e vizinhos. Semana passada puxou um papo amistoso comigo, a última lembrança que tenho dele. Seus pais e irmãos estão muito abalados. É outro crime estúpido nesta onda de violência que atinge a todos.
 
Qual a saída? O que fazer?  Para a família enlutada só resta o conforto daquele que disse: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá” (João 11.25). Mas não podemos ficar só com as mãos cruzadas em oração. É preciso indignar-se e exigir das autoridades justiça, paz social e proteção. Sabe-se que a violência urbana tem várias causas: desestruturação familiar, incapacidade dos governos, impunidade, corrupção etc. No meio disto está o tráfico de drogas, o grande agente dos crimes violentos. Os “acertos de conta”, as chacinas e outras disputas entre traficantes rivais transformaram-se em rotina. E nesta guerra de bandidos somos confundidos e nos tornamos vítimas.
 
Tem toda a razão o assassino do Edelson: “foi mal”. Foi o pior mal que alguém pode cometer. Por isto o recado bíblico: “O assassino cava muito depressa a sua própria sepultura” (Provérbios 28.17). Mas ao mesmo tempo a Bíblia recomenda: “Não paguem a ninguém o mal com o mal (...) Deixem que seja Deus quem dê o castigo” (Romanos 12.17,19). Aos homicidas, caso queiram escapar do castigo eterno, basta se arrepender e crer no perdão, pois, incrivelmente, até por eles Jesus orou na cruz: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”. O que não exclui a devida punição nesta terra de Caim.
 
 
pastor luterano