segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Comunhao fechada ou aberta?

Achei muito interessante essas palavras do Pastor Mario Rafael Fukue sobre a "Comunhao fechada ou aberta".

Deus não é radical. Radicais são aqueles que insistem em achar que Ceia é memorial apenas, símbolo, transubstanciação, etc. Esses são 'racionalmente radicais'. Os protestantes negam a presença real corporal por achar que o corpo de Cristo está , circunscrito ao Céu. Assim, não poderia ser dado na Ceia. Dessa forma, negam a ubiquidade de Cristo.

Não vou entrar em detalhes hoje (estou no corridão aqui em Passo Fundo), mas alguns pontos precisam ser lembrados.

1- Diferentes intepretações da Ceia não podem ser toleradas porque levam a diferentes Cristologias.
2- Calvinistas não afirmam a comunicação dos atributos como nós afirmamos. Especialmente o genus apostelesmaticum e o genus idiomaticum são quase negados (ver Muller). Para calvinistas há quase uma separação entre atributos divinos e humanos. É um leve (muito leve mesmo) nestorianismo.

Por isso, não creio que Deus seja tolerante com outros ensinos sobre a Ceia.
Contar com a tal 'tolerância divina' é mera especulação, fica só no campo do 'será que' ou do 'e se'. Em Teologia e na prática pastoral não podemos contar com isso. Estamos lidando com os 'utensílios sagrados do Templo do Senhor'.

Exemplo: quando um médico extrai um tumor de câncer, ele extrai o tumor e parte do tecido adjacente, por garantia. Da mesma forma, em questão de heresia devemos ter cuidado em achar que Deus 'seria tolerante'. Interpretações erradas sobre Ceia devem e precisam ser combatidas, jamais toleradas.

Essa idéia de tolerância teológia é fruto do 'oba-oba' pós-modernos, onde a verdade é inacessível e dispensável,

De fato, somente as Igrejas que subscrevem o Livro de Concórdia invariata celebram a Ceia como foi instituída por Cristo. Triste, não é? Aí está nossa missão no ecumenismo: confessar e proclamar a verdade.

Lembre-se: que as demais igrejas possuem o Batismo e a Palavra, por isso, "há cristãos em corpos denominacionais heterodoxos" (Pieper, Brief Statement). Isso porque o evangelho está presente pela pregação da Palavra e administração do santo Batismo.

Não vejo porque receber cristãos de outras denominações na Ceia. Se eles concordam com nossa doutrina, porque não se filiam? Não vejo comunhão nenhuma em juntar artificialmente luteranos 'invariatos' e calvinistas na Ceia. Comunhão de púlpito e altar é o alvo, não o meio. Se queremos ter comunhão de altar com todos, devemos alcançar a 'concórdia na doutrina'. Tomar Ceia juntos não produz comunhão.

Assim que tiver tempo escrevo mais,

Abraços,


Mario Rafael Fukue
Pastor da IELB em Passo Fundo - RS.