quarta-feira, 16 de maio de 2012

Ascensão do dólar e de Jesus

A Ascensão de Jesus lembrada nesta quinta-feira tem efeitos parecidos com a ascensão do dólar: alguns gostam, outros acham ruim, e há os indiferentes. Sobre a moeda americana, os economistas explicam as consequências no câmbio que logo sentiremos no bolso. E a subida de Jesus aos céus? Como disse, tem pessoas que nem estão aí. Mas, nesta analogia com as implicações do dinheiro na vida das pessoas, nas devidas diferenças todos dependem da “economia divina”. Bem disse Paulo a um grupo de pessoas na câmara municipal de Atenas, conforme Atos 17: “É Deus quem dá vida a todos, respiração e tudo mais... Nele vivemos, nos movemos e existimos”. O lado tranquilizador é que Deus não oscila, não desvaloriza, não muda. É uma dependência boa. Já quanto ao dólar, tem gente arrancando os cabelos.

Por isto escreve Paulo numa de suas cartas: “Como são maravilhosas as bênçãos que ele prometeu ao seu povo e como é grande o seu poder que age em nós, os que cremos nele. Esse poder que age em nós é a mesma força poderosa que ele usou quando ressuscitou Cristo e fez com que ele se sentasse ao seu lado direito no mundo celestial” (Efésios 1.18-20). Enquanto o dólar – e tudo o que ele é e representa no reino financeiro e político – exerce um poder de domínio e subordinação, a subida de Jesus lembra o poder do amor e do serviço que ele mesmo prestou e recomendou.
 
Infeliz ou felizmente, ninguém vive sem dinheiro. Por isto a resposta de Jesus quando lhe deram uma moeda e lhe perguntaram “é lícito pagar impostos?”: “Deem ao imperador o que é do imperador e a Deus o que é de Deus”. Não tem como fugir desta sujeição aos cifrões. Mas daí, lembramos que temos um Senhor que subiu aos céus e intercede por nós, e que nos ensinou a orar “o pão nosso de cada dia nos dá hoje”. Nas oscilações deste mundo, ele também prometeu: “Ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas” (Mateus 6.33).
Marcos Schmidt

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Sem o 1º de maio

O Dia do Trabalho deveria ser hoje, 3 de maio. Foi neste dia, 1886, Estados Unidos, que a polícia atirou contra uma multidão, matando doze pessoas e ferindo dezenas. A manifestação que reivindicava jornada de trabalho para 8 horas começou no 1º de maio, e por isto a data. Em todo caso, no “calendário” cristão o assunto escapa do aspecto conflitante e entra no campo definido como “para o Senhor”: “Trabalhem com prazer, como se vocês estivessem trabalhando para o Senhor e não para pessoas” (Efésios 6.7). Evidentemente, um desafio por aquilo que está no Gênesis: “Você terá que trabalhar duramente a vida inteira”.  
 
No entanto, trabalho não é maldição. Maldita é a previsão da Organização Internacional do Trabalho para o final de 2012: mais de 202 milhões de pessoas estarão desempregadas em todo o mundo. Maldita é a rebeldia humana que plantou ervas daninhas e dureza na labuta pela sobrevivência, que colheu ganância, opressão, preguiça, desonestidade, injustiças, discórdias. Mas bendito é o fruto da árdua e eficiente obra do Filho de Deus, que por isto sugeriu: “Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que dura para a vida eterna” (João 6.27). 
 
Diante disto, dependendo da relação com o trabalho, haverá felicidade ou infortúnio. Não pelo sucesso material, mas por aquilo que disse Jesus: “Onde estiverem as suas riquezas, aí estará o coração de vocês” (Lucas 12.34). Bem lembrou o Sábio: “Nós trabalhamos e nos preocupamos a vida toda e o que é que ganhamos com isso? No entanto, compreendi que mesmo essas coisas vêm de Deus” (Eclesiastes 2.22). “Não adianta trabalhar demais para ganhar o pão”, alertou Davi, “levantando cedo e deitando tarde, pois é Deus que dá o sustento aos que ele ama mesmo quando estão dormindo” (Salmo 127.2). Logicamente, promessa que não justifica a irresponsabilidade, mas aponta para a confiança e o equilíbrio. Por fim, nos vícios da corrupção, injustiças e violência, diferente seria se todos vivessem “do seu próprio trabalho” (1 Ts 4.11) – sem o 1º de maio.

Marcos Schmidt
pastor luterano